Culpa

És tu oh miserável,

execrável das minhas entranhas,

és intangível e invisível,

mas cheia de façanhas.

Pensas que não sei da sua sordidez,

da sua mesquinharia,

não me esquece de vez,

vives em mim nesta eterna zombaria.

O teu fito é a minha loucura,

serpente de todo mal,

queres me ver na amargura,

desafortunada culpa mortal!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: